Categoria: Sol

Pares de Planeta: Sol e Lua

Você já parou para pensar em como é interessante a compreensão de algo a partir do seu oposto? A partir de hoje, você acompanhará uma série de 3 posts comparando alguns pares de planetas.

Existem alguns planetas que têm naturezas opostas, como é o caso do Sol e a Lua. Depois você terá acesso a Vênus e Marte e, posteriormente, Júpiter e Saturno.

O glifo (símbolo) do Sol é representado por um olho, um círculo com um ponto no meio. A Lua, por sua vez, é como se fosse um olho meio fechado. A partir daí é possível identificar algumas diferenças entre esses planetas. Por exemplo, o Sol tem a ver com claridade e iluminação. A Lua, com penumbra ou com aquilo que está escuro.

Todo imaginário diurno, que tem a ver com consciência, clareza e racionalidade dialoga com o Sol. Enquanto isso, a Lua se relaciona com o imaginário noturno, com a inconsciência, com os instintos e a subjetividade. A Lua representa o modo como você reage emocionalmente, o Sol à forma como você age.

Ambos os planetas, Sol e Lua, regem ciclos da natureza. O Sol rege os ciclos “objetivos” ou cronológicos, como os anos, meses e estações do ano. A Lua tem a ver com o tempo subjetivo e relativo. É um tempo que se refere a “idas e vindas”, muito mais ligado a reações emocionais do que à cronologia do tempo em si (Sol). Você irá notar isso observando as fases lunares, que marca o sobe e desce das marés e demais líquidos do corpo, da menstruação e dos humores, ou seja, um lado muito mais reativo do que a objetividade do Sol. Enquanto o Sol é o tempo objetivo e cronológico, a Lua é o tempo emocional, causado por impressões.

Outra questão bastante interessante ligada ao Sol é a sua previsibilidade. O planeta se relaciona com tudo aquilo que é claro e cristalino. Já a Lua representa a imprevisibilidade das ações, daí o termo lunático. A imprevisibilidade, portanto, é uma questão, lunar. Se o Sol é claro e cristalino, a Lua é aquilo que é subjetivo, pouco claro ou dúbio (variável – pode ser ou pode não ser), tal que a visão que temos ao caminhar sob o lusco fusco noturno.

Em Astrologia o Sol rege o vigor, a saúde, a energia e a vontade. Aquele sentimento de querer algo e ir em busca para fazer acontecer. Essa vontade dirigida é uma questão Solar, representa a parte ativa ou pró-ativa das pessoas. Isso explica, astrologicamente, a energia de uma pessoa. Isto é, dependendo do signo no qual o Sol está no mapa natal o indivíduo tende a ter mais ou menos energia e/ou disposição. A energia é influenciada pelo modo como a pessoa vive, ou seja, se ela segue ou não a essência daquele signo. Exemplificando:

Se você tem o Sol em Virgem, por exemplo, sente a necessidade de ter as coisas em ordem para viver bem. Se você tem o Sol em Leão você precisa perceber que é importante.

O Sol é a atividade, enquanto a Lua é passividade e o sonho. É por isso que dentre outras coisas, a Lua em Astrologia mundial significa o povo. Já que o povo é o passivo em relação ao Sol, o governante.

O Sol pode significar também a visão e, por isso, problemas no mapa natal relacionados ao Sol podem indicar problemas de vista. O Sol também representar o olho dominante, enquanto a Lua, por sua vez, representa o olho não dominante ou a visão do olho esquerdo, ou seja, o olho passivo.

A Lua na astrologia também se refere à maternidade, ao útero, à proteção e a alimentação, tanto física quanto emocional. Isso explica a relação de mãe e bebê, através do leite. Além disso, ela também fala de variações de humor, TPM, histeria, imprevisibilidade, e reatividade emocional.

Curtiu esse conteúdo? Continue acompanhando o blog, em breve o assunto será o par de planetas Vênus e Marte!

Conheça o nosso Curso Online de Astrologia: https://www.ciadosastros.com.br/

O Ingresso do Sol nos Signos

O Sol representa, entre outras tendências de sua personalidade, sua consciência, no dia em que nasceu. Quando comparado em seu movimento com o mapa natal, o ingresso do Sol nos signos é muito importante para determinar tendências comportamentais do coletivo incidindo sobre você durante o período em que ele fica naquele signo.

Há sempre uma modificação da realidade geral experimentada, de acordo com a mudança do planeta que rege este ou aquele signo. Por este motivo, o ingresso dos planetas nos signos é algo muito importante para a astrologia, bem como para análises das mais diversas tendências.

Na astrologia mundial, por exemplo, o ingresso do Sol nos signo de Áries é muito utilizado para determinar qual será a tônica geral do ano para determinada região. Para se ter uma ideia, aqui no Brasil, para se compreender a tônica da capital Brasília, por exemplo, é feito um cálculo do ingresso do Sol no signo de Áries junto às coordenadas da cidade.

Isso irá gerar um mapa com uma configuração particular para aquela região e, como Brasília é a capital do país, irá valer para o Brasil todo. Esse mapa acaba servindo de referência para o ano inteiro e suas características podem ser lidas para determinar os rumos da economia, como estará a sociedade, o setor de saúde entre outros.

O ingresso dos outros planetas nos signos também é importante, especialmente, se estamos falando do ingresso de um planeta que rege determinado signo num outro. O que resulta no seguinte fato: quem tem ênfase nesse signo num mapa acaba vivendo uma diferença de experiências, de acordo com o signo no qual aquele planeta regente entrou. Por exemplo, quando você tem uma ênfase em Gêmeos ou Virgem, que são regidos por Mercúrio, e quando Mercúrio em trânsito ingressa num signo como Áries ou Sagitário, há a tendência para que essas pessoas fiquem mais sinceras e diretas, mais do que a média.  Além disso, podem perder um pouco da sensibilidade ao falar e se tornarem mais apressadas, tal qual os signos do elemento Fogo (Áries e Sagitário).

Ainda assim, para toda e qualquer pessoa, o ingresso de um planeta num signo e seu trânsito por lá marca uma mudança no tom coletivo. Esse mesmo Mercúrio, transitando em Áries ou em Sagitário, faz com que as comunicações em geral fiquem mais aceleradas, ocorram de modo mais direto e simples, sem rodeios, favorecendo as pessoas com comportamento mais prático e descomplicado.

Por outro lado, isso muda quando Mercúrio entra em Touro, por exemplo. Um signo que
segue uma linha mais planejadora, com uma capacidade maior de mexer com recursos,
finanças e prazeres da vida, mas com necessidade de “ruminar” por mais tempo uma
decisão.

Como vimos, há diversas maneiras de usarmos o ingresso dos planetas nos signos para
determinar tendências. Continue acompanhando o nosso blog para saber o que cada
planeta reserva em cada signo do zodíaco!

Achou esse post muito curto e ficou curioso por esse tema? Inscreva-se no Curso de Formação em Astrologia da Cia dos Astros: https://ciadosastros.com.br/